Blog para mães e futuras mães (e pais também, porque não?) grávidas ou não, que queiram ler mais sobre gestação, parto, maternidade e amamentação.

Você também vai conhecer um pouco dos trabalhos que ofereço!


terça-feira, 26 de março de 2013

Quando o bebê nasce…

A gravidez chegou… as vezes sorrateira, de surpresa. As vezes planejada. Começamos essa viagem rumo à recepção de nosso querido bebê. Muitas vezes a ansiedade já toma conta logo no ínício… conto ou não conto para as pessoas que convivem comigo? E o meu chefe? O que vai pensar? Meu filho mais velho vai ficar com ciúmes? Vão me julgar inconsequente? Será que será saudável? Parto normal ou cesárea?

Todas essas dúvidas, e mais algumas centenas delas povoam nossamente durante o inebriante mergulho de nove meses em que estamos nos preparando para receber nosso bebê em nossos braços.
E imaginamos milhares de vezes este momento. O momento de olhar para seu rostinho, de pegá-lo, abraçá-lo, aninhá-lo… Um momento imaginado, vivido, sentido em toda sua extensão mesmo antes de acontecer.

E é para ser um momento especial. Um momento da família que se forma ou que aumenta.
A maioria de nós, não imagina a dinâmica de um parto, e por isso romantizamos o momento, vendo o bebê nascer e vir diretamente para nosso colo, sentir seu cheirinho, tocar sua pele macia… Eu pelo menos sempre imaginei este momento assim. Mas como a maioria das artimanhas que nosso imaginário cria, em muito mais do que 90% dos nascimentos este momento fica apenas no imaginário das mamães…

Por isso, uma mulher que vai atrás de informações baseadas em evidências científicas, tem condição de negociar com o pediatra antes do parto, o que ela deseja e o que não deseja de intervenções em seu bebê.

É claro que a maioria dos pediatras tem que seguir o protocolo dos hospitais. Protocolos ultrapassados, que realizam intervenções de rotina nos recém-nascidos (assim como nas gestantes) e os tratam todos iguais, sem respeitar as individualidades de cada momento de nascimento e de cada bebê.

Você conhece todas as intervenções que seu filho sofreu ou vai sofrer no hospital?
Sabe para que serve cada uma delas?
Sabe a indicação de cada uma?
Vou tentar colocar todas aqui.


Manobra de Kristeller - É quando o anestesista ou um enfermeiro, durante o período expulsivo empurra com força a barriga da mulher (o fundo do útero) para que o bebê “saia mais rápido”.
Essa manobra é proibida em alguns países e não é recomendada pela OMS, pois além de ser uma violência com mãe e bebê, pode prejudicar o assoalho pélvico, o períneo, causar inversão uterina, ruptura uterina, e uma série e complicações no parto e pós-parto, podendo inclusive causar a morte materna ou fetal. NÃO É INDICADA em caso algum!




Forceps ou Vácuo Extrator – São instrumentos usados para ajudar na retirada do bebê, quando a mãe já está cansada e não consegue sozinha fazer o expulsivo. Indicado apenas quando há evidência de sofrimento fetal por expulsivo muito prolongado. Entretanto há expulsivos demorados, que não há necessidade de uso de fórceps ou vácuo. Mudar de posição por exemplo, ajuda muito a saída do bebê. Entretanto, novamente com intuito de “apressar” o parto, é usado rotineiramente no Brasil.


Vácuo Extrator


Fórceps


Aspiração - bebês nascidos de parto normal, que estejam bem, não precisam ser aspirados! Ao passar pelo canal de parto, os pulmõpes do bebê são massageados, provocando a expulsão natural dos líquidos. Entretanto 100% dos bebês nascidos em hospital são aspirados com a sonda, como parte de protocolo hospitalar. A sonda é um tubo de plástico enorme que é introduzido até o estômago do bebê. É indicado para bebês que nascem de cesárea, justamente porque não recebem essa “massagem” durante a passagem pelo canal de parto.




Colírio de Nitrato de Prata – Outro protocolo ridículo. É um colírio que se pinga em 100% dos bebês nascidos em hospital como rotina. Na maioria dos casos causa conjuntivite química, que aparece apenas quando o bebê vai pra casa. A única indicação é para bebês que nascem de parto vaginal cuja mãe seja portadora de gonorréia – que geralmente é detectado no pré-natal né gente?
Então alguém me explica, pelo amor de Deus, porque mães saudáveis que tem seu filho via vaginal e porque bebês nascidos de cesárea também recebem esse colírio? Alguém aí já experimentou pingar uma gotinha do colírio pra ver o quanto arde?

Vitamina K - A vitamina K via injeção na coxa é feita no berçário, mas pode tomada via oral que funciona do mesmo jeito. É importante pra prevenir hemorragias no bebê. Quando tomada via oral, deve ser repetida mais duas vezes depois que o bebê vai pra casa.Tem outras intervenções mais leves, como medir o bebê por exemplo. O bebê que estava ali, enroladinho dentro da barriga, de repente é esticado, sem maiores cerimônias para ser medido. Custa esperar um ou dois dias?? Custa?? Ahhhhh depois de alguns dias o bebezinho vai crescer muito né??

Dextro – exame de glicemia para bebês que são considerados grande! Hospitais pregam que bebês que nascem acima de 3,700 devem ser picados para exame de glicemia a intervalos determinados pelo protocolo.

Banho de luz – É indicado apenas quando o bebê nasce com icterícia (geralmente bebês prematurinhos) num grau muito alto. Uma icterícia leve pode (e deve) ser tratada com banho de sol pela manhã e com o próprio aleitamento materno. Não é necessário separar o bebê da mãe!

Separação e introdução de fórmulas – Na maioria dos hospitais em nosso país, os bebês assim que nascem dão um cheirinho na mamãe e já vão para o berçário para sofrerem todas as intervenções, banho, etc. A desculpa é sempre de que a mãe precisa descansar (realmente precisamos – mas é aí que o acompanhante entra, outra lei que não é cumprida) – O pior da separação, é a introdução de fórmulas enquanto os bebês estão no berçário, prejudicando o aleitamento materno e a saúde do bebê.

O Ministério da Saúde e a Organização Mundial da Saúde enfatizam cada vez mais a importância do contato pele a pele assim que o bebê nasce, e a amamentação imediata. É importante informação e empoderamento para fazer valer esse direito de mãe e bebê.

Então mulheres, informem-se! Não deixem que seus filhos passassem por muitas dessas intervenções desnecessariamente.



Catharina que nasceu com quase 4 kg em hospital, de parto natural vertical com equipe humanizada. Não sofreu NENHUMA intervenção!

Relato: Catharina nasceu no hospital sim, mas conseguimos fazer valer nosso direito. Contamos com uma equipe humanizada. Então quando eu ouço alguém falar que é muito caro pagar um parto humanizado, eu nem respondo. Eu também achava caro antes de ter minha própria experiência. HOJE eu sei que vale cada centavo!

Nenhum comentário:

Postar um comentário